Início » Quais são os riscos de uma gravidez na adolescência? 

Quais são os riscos de uma gravidez na adolescência? 

A adolescência é definida como o período entre 10 e 19 anos, já o período de 19 a 24 anos são considerados jovens. 

A lei da Infância e Juventude, o (ECA) limita a puberdade entre 12 e 18 anos, 11 meses e 29 dias.

A juventude é caracterizada pelas mudanças cognitivas, biológicas, sociais e emocionais , como um momento importante para adotar novos hábitos e comportamentos e ganhar autonomia.

Durante esta fase, os jovens tornam-se mais vulneráveis ​​a comportamentos que podem fragilizar a sua saúde, como dieta inadequada, sedentarismo, tabagismo, álcool, drogas e sexo desprotegido.

Essa necessidade de independência faz com que os adolescentes a rejeitem serem protegidos por adultos e a lidarem com situações e comportamentos perigosos que podem levar a futuros acidentes como infecções, contaminação por doenças sexualmente transmissíveis (DST), gravidez indesejada e morte.

No caso do Brasil, estudos mostram que dentre os jovens e adolescentes a gravidez indesejada chega a 50%, então isso também é levado em consideração como um problema social.

Para você que está lendo este artigo sobre “Quais são os riscos de uma gravidez na adolescência?”, talvez você tenha pesquisado no google por “Misoprostol preço”, não é necessário comprar medicamento sem o consentimento médico. Pois isso pode lhe fazer muito mau.

Conheça uma das principais consequências da gravidez precoce

Segundo os especialistas, a idade mais apropriada para ser mãe é entre os 20 e os 35 anos, pois o risco para a saúde da mãe e do filho é muito menor. 

A gravidez na adolescência é considerada de alto risco e acarreta mais complicações. 

Isso pelo fato da adolescente não estar preparada nem física nem mentalmente para ter um bebê e assumir a responsabilidade da maternidade.

A gravidez na adolescência pode afetar tanto a mãe como o bebê, o que pode ter consequências físicas, psicológicas e socioeconômicas;

1. Resultados físicos

Uma mulher que não está totalmente preparada para a gravidez, é provável que ocorra parto prematuro, formação prematura da bexiga e aborto espontâneo.

Além destas consequências, ainda é possível ocorrer a perda de peso, anemia e alterações na formação de vasos sanguíneos da placenta, também podendo levar a um aumento da pressão arterial conhecido como pré-eclâmpsia.

Dentre esse fatores, ainda estão:

  • Quadros de má nutrição, com consequências de carência de nutrientes essenciais para o bom desenvolvimento do bebê.
  • O bebê terá peso baixo pois a imaturidade do corpo faz com que o útero não se desenvolva de uma forma completa.
  • As mães adolescentes terão mais chances de terem filhos com problemas de saúde e distúrbios em seu desenvolvimento.
  • Nos casos de gravidez em meninas de 15 anos ou menos, o bebê terá mais chances de nascer com malformações.

2. Consequências psicológicas

A maioria das gestantes que se encontram em uma gravidez precoce, não estão mentalmente preparadas para se tornar mãe, por isso é comum desenvolver depressão tanto durante a gravidez quanto após o parto. 

Também pode haver uma queda na autoestima e problemas emocionais entre mãe e filho.

Como as consequências psicológicas de uma gravidez na adolescência, podemos destacar:

  • Medo da rejeição: A jovem poderá se sentir criticada em seu ambiente e poderá se isolar de seus grupos, pelo medo de ser rejeitada socialmente 
  • Rejeitar o seu filho: As meninas que engravidam e não querem assumir a responsabilidade, na maioria das vezes se sentem culpadas, tendo baixa auto estima, e consequentemente rejeitar o seu próprio filho.
  • Desavenças com os familiares: Informar a gravidez a família muitas vezes é uma fonte de conflito e até de rejeição por parte de seus próprios familiares.

3. Consequências socioeconômicas

É comum a mulher deixar de estudar ou trabalhar durante e após a gravidez porque pode ser difícil conciliar os dois e sob muita pressão da sociedade, muitas vezes da família, em relação ao casamento e assuntos familiares, pelo fato de estar grávida na adolescência.

Além disso, a gravidez é muitas vezes vista como motivo para as empresas não contratarem trabalhadores, pois tende representar um maior custo da empresa, uma vez que em alguns meses a gestante entrará em licença maternidade